Loading SEBRAE

Mais buscados: SEI credito Consultoria Boas praticas EMpretec

Loading SEBRAE

Saúde

Medicamentos

Indústria farmacêutica: ao invés de valores, custos

13/11/17
Ana Paula Rezende

Ana Paula Rezende

Gerência Setorial do Comércio e Serviços

COMPARTILHE
O alto custo dos medicamentos deve ser justificado e baseado em resultados clínicos, impacto econômico, entre outros fatores que geram impacto direto sobre a demanda.

Sabemos que é cada vez mais frustrante a situação dos pacientes que precisam de medicamentos de alto custo, mas que não possuem condições de pagar por eles e pelos tratamentos e procedimentos.

O aumento dos preços dos medicamentos sobre a inflação ocorre há muito tempo, e isso torna o balanço desfavorável aos compradores que não tem acesso a justificativas palpáveis para continuar consumindo tais produtos. Desta forma, para que o acordo seja criado entre quem consome e quem fabrica, a comunicação deve ser efetiva.

A tendência da produção de medicamentos cada vez mais especializados e de alto custo permanece em 2017 e por isso, cria-se a necessidade da indústria farmacêutica esclarecer os altos custos por trás da fabricação de seus produtos.

O alto custo dos medicamentos deve ser justificado com base em resultados clínicos, impacto econômico, entre outros fatores que geram impacto direto sobre a demanda. Desta forma, devem ser identificados e diferenciados os casos onde o valor do medicamento deve ser priorizado no cálculo (menores valores finais, porém maior parcela de valor agregado a inúmeros fatores), e quando o custo deve ser levado em conta (medicamentos de alto custo cada vez mais presentes, que são impagáveis se agregados a muito valor).

O mercado de assistência à saúde no Brasil é complexo, assimétrico, fragmentado, e com forte demanda e envolvimento e apoio governamental. Vale ressaltar que a cadeia de valor da saúde exerce grande importância econômica, pois movimenta cerca de R$ 500 milhões, o que representa cerca de 10% do PIB nacional. Destaca-se que a maior parte desse valor é gerada pelo setor privado (56%), contra 44% do setor público (nas três esferas – federal, estadual e municipal). Os hospitais em especial, têm participação importante nesses números.

Gostou deste artigo? Veja outros sobre o tema –  Clique Aqui

COMPARTILHE
ESTE CONTEÚDO FOI ÚTIL PARA VOCÊ?

Notícias

23 de Novembro de 2017

Workshops sobre ervas medicinais são novidades no Caminho Pomerano

SAIBA MAIS

 

23 de Novembro de 2017

Licenciamento sanitário é tema de oficina em Santa Maria

SAIBA MAIS

Vídeos

Ouça o podcast do SEBRAE

Sebrae RS Podcast 23/11/2017 17:09

Projeto Conexão Saúde RS apoia indústrias do setor

Sebrae RS Podcast 20/11/2017 15:42

SEBRAE promove rodada de negócios em Passo Fundo