Loading SEBRAE

Mais buscados: sei Credito Consultoria Boas Praticas Empretec

Loading SEBRAE

Saúde

Descarte correto

Como fazer uma boa gestão de resíduos de saúde

08/08/17
Ana Paula Rezende

Ana Paula Rezende

Coordenadora Estadual da Saúde do SEBRAE RS

COMPARTILHE
Não são apenas hospitais que geram resíduos de saúde, mas também farmácias, consultórios, estúdios de tatuagem e clínicas veterinárias

Cuidar dos resíduos gerados por empresas de saúde é uma responsabilidade de quem os gerou. Para proteger o meio ambiente e seguir as legislações da área, é necessário um bom planejamento e o monitoramento constante dos processos. E não são apenas hospitais que geram resíduos de saúde. Locais como drogarias, farmácias, clínicas, consultórios, e até mesmo estúdios de tatuagem podem produzi-los, além daqueles espaços dedicados a saúde dos animais, como clínicas veterinárias.

O primeiro passo é elaborar um Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviço de Saúde (PGRSS). Além de orientar os gestores e a equipe sobre o tratamento que deve ser dado aos rejeitos, o plano é um documento utilizado para comprovar que há uma estrutura pensada para tratar dos descartes. Deve-se prever a geração de resíduos em todos os processos e descrever em detalhes quais atitudes são tomadas para minimizar e evitar a geração de novos.

Todas os serviços de saúde precisam verificar a resolução 358 de 29 de abril de 2015 do Conama com o objetivo de identificar os tipos que são gerados e como devem ser tratados. Já a identificação deles deve ser feita de acordo com as regras da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT NBR 7500). Exemplos de produtos que se encaixam na categoria de resíduos de saúde são as sobras de laboratórios, carcaças de animais, peças anatômicas descartadas em hospitais, órgãos, tecidos, materiais que possam causar infecções, medicamentos, materiais radioativos e materiais que não apresentam risco, como toalhas, fraldas e restos de gesso.

Existem regras diferentes para o armazenamento de cada um deles. Quando é necessário armazenar temporariamente em local externo ao que foi gerado, utiliza-se um espaço de 2 m² com acesso facilitado para veículos de coleta. Não podem ser misturados os resíduos químicos dos demais e os locais devem estar protegidos contra incêndio, com extintores disponíveis e EPIs.

 

Para o transporte, é necessário assegurar que a equipe esteja utilizando EPIs, como luvas, botas, protetor facial, máscaras e óculos. Veículos com isolamento de materiais devem ser utilizados obrigatoriamente, evitando riscos de contaminação. Os destinos finais de descarte devem ter licenciamento ambiental, para garantir que os produtos perigosos não prejudiquem o meio ambiente depois de tanto cuidado.

COMPARTILHE
ESTE CONTEÚDO FOI ÚTIL PARA VOCÊ?

Notícias

16 de Fevereiro de 2018

Programa auxilia propriedades a organizar rotinas de trabalho

SAIBA MAIS

 

15 de Fevereiro de 2018

Ferramentas online para o agronegócio

SAIBA MAIS

Vídeos

Ouça o podcast do SEBRAE

Sebrae RS Podcast 16/02/2018 11:12

Conexão da Moda tem inscrições abertas para lojas do setor

Sebrae RS Podcast 15/02/2018 11:05

Projeto busca aproximação entre varejo e indústria de moda no RS