Loading SEBRAE

Mais buscados: Sei credito mei consultoria boas praticas

Loading SEBRAE

Saúde

Produtos para a saúde e correlatos

Atenção à regulamentação, segurança e eficácia

05/04/18
Eng. Luciano Duarte

Eng. Luciano Duarte

DOMO SALUTE CONSULTORIA REGULATÓRIA LTDA

COMPARTILHE
A coesão entre as etapas do desenvolvimento de um produto para saúde reduz desperdícios de tempo e recursos durante o processo de registro

A regulamentação brasileira e mundial para o setor da saúde tem mudado significativamente ao longo da última década. Cada vez mais, acompanhar essas constantes mudanças não é somente um desafio, como também uma questão de sobrevivência para as empresas do setor.

O primeiro passo para o acesso de um produto para saúde ao mercado brasileiro é a legalização da empresa fabricante junto à Vigilância Sanitária. Seja a empresa uma indústria de produtos para diagnóstico in vitro, materiais ou equipamentos médicos, a regularização objetiva a obtenção do Alvará Sanitário, Autorização de Funcionamento de Empresa (AFE) e, quando aplicável, Certificação de Boas Práticas de Fabricação.

A etapa seguinte é a regularização do produto em si. Nesse momento, a correta classificação do produto, segundo o entendimento atualizado dos órgãos oficiais, é chave para a assertividade do processo. No caso de produtos médicos, esta classificação se divide em duas importantes categorias: cadastro (classes de risco I e II) e registro (classes de risco III e IV). Esta classificação leva em consideração, por exemplo, a complexidade, o risco, as indicações e tempo de uso do produto.

Alguns produtos, como equipamentos médicos, luvas, seringas, agulhas, preservativos e próteses mamárias, são também regulados pelo Inmetro. Este órgão, assim como a Anvisa, publica regulamentação específica a ser seguida pelos fabricantes para a certificação dos produtos.

Os processos de regularização junto à Anvisa, Inmetro ou outros órgãos reguladores são extremamente técnicos e burocráticos, exigindo a atenção de técnicos experientes que conduzam o processo com inteligência regulatória, buscando minimizar tempo e custo através de delineamentos prévios da documentação técnica que acompanha o produto desde o seu projeto.

Além do registro das etapas de desenvolvimento técnico e de controle de qualidade dos materiais, uma etapa crítica exigida no processo de registros de categorias específicas de produtos é a análise de segurança e eficácia. Esta etapa tem por objetivo principal definir se o produto é seguro para o uso ao qual se propõe e se traz os benefícios pretendidos. A forma como esta avaliação deve ser conduzida varia com a classe e tipo de uso do produto, incluindo a realização de ensaios pré-clínicos e clínicos. Antes da realização de testes em humanos (etapa clínica), é realizada a etapa pré-clínica, na qual uma gama de ensaios in vitro e in vivo é realizada a fim de conhecer e compreender os possíveis efeitos terapêuticos ou adversos dos produtos em modelos não humanos. Assim, com os resultados desta etapa, são determinadas as doses e tipos de uso do produto seguros para o início dos ensaios em pacientes, por meio de pesquisa clínica.

Dados clínicos para comprovação de requisitos essenciais de segurança e eficácia são baseados tanto na compilação da literatura científica de publicações indexadas relativas às pesquisas clínicas previamente existentes, como em pesquisas clínicas conduzidas especificamente para o produto em questão. São os casos de produtos para a saúde classes de risco III e IV e produtos inovadores ou combinados, independente de sua classe de risco (inovação em desenho, matéria-prima, indicação de uso, entre outros). Dependendo do produto e situação clínica a ser avaliada, diferentes tipos de estudos e delineamentos científicos são utilizados para a avaliação de segurança e eficácia.

A coesão entre as etapas do processo (regulamentação, fases pré-clínica e clínica) reduz desperdícios de tempo e recursos durante o registro de produtos. Assim, é fundamental que os profissionais envolvidos no processo estejam alinhados desde o seu início, trocando informações e cooperando, para assegurar a assertividade do processo.

Atento a isto, o Cluster para Tecnologias da Saúde do RS tem protagonizado várias iniciativas de suporte à indústria do setor, gestionando junto às autoridades legais avanços importantes tanto para questões burocráticas quanto para esclarecimentos processuais.

 

 

COMPARTILHE
ESTE CONTEÚDO FOI ÚTIL PARA VOCÊ?

Notícias

18 de Abril de 2018

Sebrae RS promove rodada de negócios na 13ª Envase Brasil

SAIBA MAIS

 

18 de Abril de 2018

Sala do Empreendedor de Torres estipula metas para diminuir burocracia

SAIBA MAIS

Vídeos

Ouça o podcast do SEBRAE

Sebrae RS Podcast 24/04/2018 14:54

Sebrae leva MPEs para maior feira médica da América Latina

Sebrae RS Podcast 17/04/2018 17:07

Sebrae lança projeto para apoiar MPEs na área da saúde