Loading SEBRAE

Mais buscados: Sei CONSULTORIA Credito Boas praticas Empretec

Loading SEBRAE

Notícias

Região Centro prioriza o desenvolvimento dos pequenos negócios locais

14/08/12

Da Redação

COMPARTILHE

Potencialidades das MPEs locais foram apontadas pelas lideranças de Santa Maria e região durante evento promovido pelo Sebrae/RS

Da Redação

Superintendente do Sebrae/RS abriu o evento em Santa Maria (Foto: Sebrae/RS)

Santa Maria – Cerca de 60 líderes empresariais e representantes de entidades associativas estiveram reunidos nesta terça-feira, na Cidade Universitária, durante o encontro MPE Grande do Sul, promovido pelo Sebrae/RS, para debater as necessidades e potencialidades dos pequenos negócios da Região Centro. Santa Maria foi a sétima parada desta iniciativa do Sebrae/RS que irá gerar uma radiografia para indicar aos futuros administradores municipais como implementar políticas públicas que possam incrementar as micro e pequenas empresas.

As discussões, mais uma vez, tiveram como foco principal as forças, fraquezas, ameaças e oportunidades vislumbradas pelas micro e pequenas empresas. O crescimento dos pequenos negócios locais, segundo a avaliação das lideranças empresariais da região Centro, passa por uma série de iniciativas dos órgãos públicos. Entre elas, maior incentivo para a abertura de novas empresas, a facilitação do acesso ao crédito para os empreendimentos já estabelecidos, a implementação da Lei Geral das MPEs, especialmente nos que diz respeito a desburocratização de registro e de fechamento das empresas e na priorização nas Compras Governamentais de até R$ 80 mil. Também voltou a ser levantado pelos líderes a questão do desenvolvimento sustentável das micro e pequenas empresas.

Ao abrir o evento, o superintendente do Sebrae/RS, Léo Hainzenreder, salientou a importância da presença dos empresários e empreendedores no encontro. “Vocês estão nos ajudando a construir um documento fundamental para orientar ações futuras em todos os municípios com foco no desenvolvimento das micro e pequenas empresas gaúchas”, enfatizou. Ele lembrou que “a radiografia que o Sebrae/RS fará até setembro, por meio de dez encontros, será apresentada no dia 4 de dezembro, em Porto Alegre, no Fórum de Gestão Pública, e, posteriormente, entregue aos 497 prefeitos que iniciarão seus mandatos em 1º de janeiro de 2013”.

Segundo o superintendente, embora representem 99% das empresas no Brasil, as MPEs são responsáveis por apenas 20% do Produto Interno Bruto nacional. “É preciso qualificar a mão-de-obra, investir em inovação e modernas práticas de gestão, no planejamento estratégico e buscar a profissionalização continuada para que os pequenos negócios possam ampliar o seu percentual de participação no PIB”, avaliou.

A visão do Sebrae/RS

Léo Hainzenreder apresentou para as lideranças regionais locais a visão do Sebrae/RS sobre as MPEs e o desenvolvimento local e regional. Ele destacou que, hoje, o Sebrae/RS tem como público-alvo mais de 1 milhão e 100 mil empreendimentos formais no Rio Grande do Sul, englobando micro e pequenas empresas, empreendedores individuais e produtores rurais. “Na região Centro, temos um público potencial de 94.085 empreendimentos formais, para ofertarmos gestão empresarial, incentivo a busca pela inovação e tecnologia, acesso a mercados, orientação ao crédito, o fomento ao empreendedorismo e impulso a políticas públicas que criem um ambiente econômico favorável ao crescimento dos pequenos negócios”, afirmou o superintendente.

Hainzenreder falou sobre ações importantes que o Sebrae/RS coloca em pratica para impulsionar o desenvolvimento das micro e pequenas empresas gaúchas. “Temos o Programa Negócio a Negócio, que visa a melhoria da gestão das micro empresas e dos empreendedores individuais e que deverá atender a mais de 45 mil negócios deste porte em 2012. Com o SebraeTec e o Programa Agentes Locais de Inovação, estamos levando às MPEs a consciência do quanto é importante buscar processos inovadores. O Programa Sebrae 2014 nos permite mostrar aos pequenos negócios gaúchos como usufruir da série de oportunidades que serão geradas no Estado com a Copa do Mundo de 2014”, falou.

O dirigente ainda lembrou de iniciativas como o Sebrae Mais, o Sebrae no Territórios da Cidadania, o importante trabalho de sensibilização realizado na regulamentação e da implementação da Lei Geral das MPEs nos municípios gaúchos, e o Programa Fornecer, realizado em parceria com o Governo Estadual, abrindo novas e boas perspectivas para os empreendimentos de pequeno porte em relação as compras governamentais.

Cenários

O economista e consultor do Sebrae/RS Eduardo Starosta apresentou cenários para a região, o Rio Grande do Sul e o Brasil do ponto de vista das micro e pequenas empresas. Ele traçou um paralelo entre o crescimento econômico brasileiro, gaúcho e da Região Centro, mostrando que a economia local tem oscilações mais intensas do que o padrão gaúcho. “A região mostra tendência de aumentar sua participação na economia brasileira e gaucha, com um crescimento econômico médio regional predominantemente superior aos padrões do país e do estado”, salientou.

O consultor lembrou que a o setor Agropecuário do Planalto é responsável por 20% do PIB regional e 8,7% do PIB estadual. Tem como destaques produtivos o arroz, soja e a bovinocultura. “Sua matriz produtiva é baseada em commodities, mostrando uma dinâmica de expansão superior a gaucha e brasileira”, acrescentou Starosta.

Na área industrial, a região tem uma dinâmica diferente do padrão gaucho, com picos menos intensos. Representando cerca de 13% do PIB regional e 1,78% do PIB estadual, a indústria da Região Planalto cresce em um ritmo ligeiramente inferior à gaúcha e superior à brasileira. Santa Maria, São Sepé, Santiago e Agudo são os maiores polos industriais da região, concentrando 65% do PIB das fábricas. Na ultima década, em termos de dinâmica de crescimento, os líderes foram os municípios de Nova Palma e Dilermando de Aguiar, onde o Produto Interno Bruto industrial praticamente duplicou no período.

No setor de comércio e serviços verifica-se uma dinâmica predominantemente convergente ao comportamento da totalidade do RS. O setor responde por cerca 60% do PIB regional e vem crescendo em ritmo ligeiramente superior à média gaúcha e brasileira.

As exportações da região, passaram, nos últimos anos, por forte alavancagem, especialmente por conta das commodities. Representando em 2011, 0,99% das vendas internacionais do Rio Grande do Sul, a exportação do Centro gaúcho cresce em níveis superiores ao gaucho desde 2007. Os principais produtos exportados são couro, arroz, soja e derivados, carne suína e bovina. De acordo com Starosta, “a dinâmica exportadora da região está calcada no agronegócio. Por conta disso, ela é suscetível a baques em função de frustrações de safra e barreiras não tarifárias no caso das carnes”.

Em termo de empregabilidade, em 2010 a região ultrapassou o patamar de 13,5 mil empresas. O numero é significativo, mas a evolução dos últimos anos mostra queda de participação no contexto gaúcho. “Este e um ponto crítico regional. O Centro gaúcho conta com uma média de uma empresa para cada 40 habitantes, o que é superior a média gaúcha (38)”, mas insuficiente para impor uma arrancada social e econômica”, concluiu Eduardo Starosta.

COMPARTILHE
ESTE CONTEÚDO FOI ÚTIL PARA VOCÊ?

Siga o SEBRAE RS

Notícias

22 de Setembro de 2017

Salão da Inovação será destaque na Mercopar

SAIBA MAIS

 

21 de Setembro de 2017

Doces de Pelotas no cardápio da 25ª Avaliação Nacional de Vinhos

SAIBA MAIS

Vídeos

Ouça o podcast do SEBRAE

Sebrae RS Podcast 22/09/2017 09:32

Doces de Pelotas serão servidos na Avaliação Nacional de Vinhos

Sebrae RS Podcast 21/09/2017 11:32

Encontro em Santa Maria busca soluções digitais para a educação