Loading SEBRAE

Mais buscados: sei credito consultoria boas praticas EMpretec

Loading SEBRAE

Ovinocultura

Estruturando o setor

Produção de ovinos: planejamento é a chave para abastecer indústria

12/01/17
Roberto Grecellé

Roberto Grecellé

Coordenador estadual de pecuária de corte do SEBRAE RS.

COMPARTILHE
É preciso investir mais em pesquisa e desenvolvimento do mercado para que os argumentos de venda fiquem mais claros para o consumidor.

No Brasil, o consumo anual de carne ovina é estimado em aproximadamente 700 gramas por pessoa, bastante abaixo dos cerca de 37 kg de bovina em média. Mesmo assim, os consumidores têm se interessado mais pelo produto e tem sido difícil para o pecuarista suprir a demanda.

Para o Gerente Regional da Campanha e Fronteira Oeste do SEBRAE RS, Ângelo Aguinaga, a única forma de resolver o problema é conscientizando o produtor da necessidade de fazer um planejamento amplo da criação, evitando que a dedicação ao processo seja esporádica e mais concentrada em uma única parte do ano. O primeiro passo para isso é definir que tipo de produto pretende-se oferecer ao mercado, para então criar uma estratégia de produção.

– Identificar o tipo de mercadoria está relacionado principalmente com perceber se há demanda do mercado e qual a constância necessária de entrega dela, que pode ser semestral ou até semanal – explica.

114_gagro_ovinocultura_estrategias-de-comercializacao_revisado_840x415

O mais comum é a venda de ovinos que sigam um certo padrão de tamanho que já se convencionou como o ideal pelos frigoríficos. Estima-se que 70% dos cordeiros criados no Brasil são abatidos nos finais de ano, próximo às festividades de Natal e Ano Novo. Na produção da carne, há uma demanda da indústria por animais de até um ano de idade e que ainda não tenham trocado a primeira dentição. Esse animal, em geral nasceu no mês de julho, e é abatido próximo de dezembro pesando aproximadamente 35 kg e com acabamento de gordura de 3,5 milímetros.

Com base na expectativa de atendimento da demanda, passa-se a planejar a alimentação, a época de acasalamento dos animais, o abate e as raças que serão utilizadas. No que diz respeito à inseminação, pode-se escolher pela monta natural ou pela artificial, que é mais ágil. Entretanto, o problema de acasalar todos na mesma época e vendê-los da mesma forma é que com o abate do rebanho no final do ano, torna-se difícil atender a outras demandas, principalmente no começo do semestre posterior, e aproveitar os preços da entressafra.

Aguinaga explica que, diferentemente do que se pensa no senso comum, pesquisas mostram que é possível produzir em todas as épocas, sendo a questão de venda no Brasil mais um aspecto comercial do que de ciclo de vida do animal. Observa-se que a lã e o leite também são opções para comercialização e que, da mesma forma, necessitam de boas estratégias de vendas.

– Nós temos uma imagem formada de que o consumidor brasileiro quer a carne dessa forma que oferecemos sempre, todos os anos e que isso não pode mudar. Precisamos investir mais em pesquisa e desenvolvimento do mercado para que os argumentos de venda fiquem mais claros para o consumidor – finaliza.

COMPARTILHE
ESTE CONTEÚDO FOI ÚTIL PARA VOCÊ?

Notícias

24 de Novembro de 2017

Ainda dá tempo de dar um upgrade na sua empresa

SAIBA MAIS

 

24 de Novembro de 2017

Quer saber como se comunicar pelo YouTube?

SAIBA MAIS

Vídeos

Ouça o podcast do SEBRAE

Sebrae RS Podcast 24/11/2017 15:59

Sebrae promove 2° Seminário Brasil Mais Simples em Santa Maria

Sebrae RS Podcast 23/11/2017 17:09

Projeto Conexão Saúde RS apoia indústrias do setor