Loading SEBRAE

Mais buscados: Sei Credito mei Consultoria Boas Praticas

Loading SEBRAE

Notícias

Mesa-redonda na Mercopar tratará da Economia Verde

01/10/12

Da Redação

COMPARTILHE
Caxias do Sul – Entre os eventos paralelos da 21ª edição da Mercopar, que acontece de 2 a 5 de outubro em Caxias do Sul, a mesa-redonda programada para o dia 4, a partir das 17h30min, promete chamar a atenção dos expositores e visitantes da Feira de Subcontratação e Inovação Industrial.
 
O Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Rio Grande do Sul (Sebrae-RS) em parceria com a Fundação Proamb, de Bento Gonçalves, reunirá o engenheiro, estrategista e escritor carioca Fernando Almeida, e o economista e professor paulista Ricardo Abramovay, com mediação do jornalista gaúcho Affonso Ritter. Antes da interação com o público, Almeida falará sobre o tema Produção mais Limpa no Contexto da Sustentabilidade. Já Abramovay terá como título de sua palestra Muito além da Economia Verde. Acompanhe uma prévia do que Abramovay irá abordar durante a mesa-redonda.
 
Proamb – Durante a Rio + 20, o conceito de Economia Verde foi mais ampla e abrangentemente trabalhado. Mas a definição não necessariamente tenha ficado clara para o grande público. Como o senhor define Economia Verde?
Ricardo Abramovay – A definição das Nações Unidas é importante e diz que Economia Verde é a que melhora o bem-estar humano e a equidade social reduzindo os riscos ecológicos. Ela se compõe de três dimensões básicas: mudança na matriz energética em direção a fontes renováveis, melhora no uso dos materiais e da energia e, enfim, transição da economia da destruição para a economia do conhecimento da natureza, com aproveitamento sustentável da biodiversidade dos principais biomas.
 
Proamb – Por que o senhor preconiza, em seu último livro que se vá “Muito Além da Economia Verde”?
Abramovay – Porque, embora muito importantes, as mudanças tecnológicas da Economia Verde são insuficientes para compatibilizar o tamanho do sistema econômico global com os limites dos ecossistemas. O que é necessário enfatizar são duas coisas. Em primeiro lugar, as desigualdades no mundo de hoje deixaram de ser uma questão apenas ética e converteram-se em um obstáculo material para a continuidade do sucesso recente na luta contra a pobreza. Se não forem reduzidas seriamente as desigualdades, não haverá materiais, energia ou espaço carbono para que as necessidades básicas dos mais pobres sejam alcançadas. Isso exige, segundo aspecto, que se repense o próprio sentido, os propósitos, da vida econômica. As sociedades contemporâneas exigem do sistema econômico que ele produza reais utilidades, bens e serviços capazes de melhorar o bem-estar. Os exemplos dos automóveis e da agroindústria alimentar são usados no livro para ilustrar casos em que nem sempre o aumento da riqueza corresponde a verdadeiros ganhos de prosperidade para a sociedade.
 
Proamb – Como o Brasil se situa diante da sustentabilidade? Estamos preparados ou já no rumo do desenvolvimento sustentável? Internacionalmente nossa economia ganhou contornos mais sólidos, mas na verdade, em que pé estamos?
Abramovay – Por um lado, tivemos importante redução no desmatamento na Amazônia (mas não no Cerrado, nem na Caatinga) nos últimos anos. Além disso, a Lei dos Resíduos Sólidos é uma sinalização muito positiva. O etanol e a hidroeletricidade fazem do Brasil um dos países de matriz energética menos suja do mundo. Por outro, porém, as ameaças que o projeto de novo Código Florestal faz pesar sobre nossa biodiversidade e nossa água são imensas. Além disso, nossas cidades são, cada vez mais, o avesso do que intuitivamente se pode entender por desenvolvimento sustentável. Nosso progresso no uso mais racional de materiais e de energia é precário. E o país passa por um processo de reprimarização de sua economia que o afasta da economia do conhecimento e, portanto, do desenvolvimento sustentável.
 
Proamb – O evento do Sebrae é direcionado principalmente às micro e pequenas empresas. Como essa parcela da economia está e poderá trabalhar a sustentabilidade de forma efetiva?
Abramovay – Por um lado, há um trabalho educativo a ser feito com cada padaria, cada oficina mecânica e cada estabelecimento comercial em torno de práticas acessíveis que se referem ao reuso, à reciclagem e ao menor emprego de materiais. Mas o essencial é que as cadeias de valor das grandes empresas vão tornar-se cada vez mais exigentes sob o ângulo socioambiental e isso pode representar tanto ameaça como oportunidade para as micro e pequenas empresas. Nas condições brasileiras, as chances de fazer transformar o objetivo do desenvolvimento sustentável em fontes de ganhos para o setor privado são imensas, embora as oportunidades de lucro vindas de práticas predatórias ainda existam de forma majoritária. A batalha consiste exatamente em criar as condições para reverter esse quadro e favorecer as empresas e os setores capazes de fazer emergir uma relação construtiva e regeneradora entre a sociedade e os recursos ecossistêmicos dos quais ela depende.
 
A Mercopar envolve empresas de vários setores, entre eles os de Automação Industrial, Borracha, Eletroeletrônico, Energia e Meio Ambiente, Metalmecânico, Movimentação e Armazenagem de Materiais, Plástico, e Serviços Industriais. O evento é realizado pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Rio Grande do Sul (Sebrae/RS) e pela Hannover Fairs Sulamerica, empresa do Grupo Deutsche Messe AG, no Centro de Feiras e Eventos da Festa da Uva, em Caxias do Sul. Mais informações podem ser obtidas pelo site www.mercopar.com.br.
COMPARTILHE
ESTE CONTEÚDO FOI ÚTIL PARA VOCÊ?

Siga o SEBRAE RS

Notícias

18 de Abril de 2018

Sebrae RS promove rodada de negócios na 13ª Envase Brasil

SAIBA MAIS

 

18 de Abril de 2018

Sala do Empreendedor de Torres estipula metas para diminuir burocracia

SAIBA MAIS

Vídeos

Ouça o podcast do SEBRAE

Sebrae RS Podcast 17/04/2018 17:07

Sebrae lança projeto para apoiar MPEs na área da saúde

Sebrae RS Podcast 16/04/2018 16:45

Missão empresarial participa de feira industrial Alemanha