Loading SEBRAE

Mais buscados: sei CONSULTORIA Credito Boas Praticas empretec

Loading SEBRAE

Notícias

Lideranças empresariais gaúchas solicitam redução da carga tributária das MPEs

05/06/13

Da Redação

COMPARTILHE

Entidades contam com o apoio dos deputados estaduais para sensibilizar o Governo do RS a acatar o pleito

Da Redação

Presidente Vitor Koch, ao centro, coordenou o encontro (Foto: João Alves)

Porto Alegre – Lideranças empresariais gaúchas oficializaram ao Governo do Estado o apelo por medidas urgentes em relação ao modelo da Substituição Tributária no Rio Grande do Sul que está trazendo prejuízos para as micro e pequenas empresas. SEBRAE/RS, Fiergs, Fecomércio, Federasul, FCDL-RS e FARSUL, entregaram documento com o pleito ao deputado estadual José Sperotto, coordenador da Frente Parlamentar das MPEs, ao final de encontro realizado na manhã desta quarta-feira (05/06) em Porto Alegre para tratar do tema.

“Contamos com o apoio do deputado José Sperotto e dos demais parlamentares gaúchos para encaminhar o pleito que o SEBRAE/RS e as federações sugeriram ao Governo do Estado. Acolhendo essas sugestões, o executivo estadual estará implementando melhorias no tratamento concedido à micro e pequenas empresas gaúchas, medida que certamente beneficiará os diversos setores da economia, e consequentemente a sociedade”, ressalta o presidente do SEBRAE/RS, Vitor Augusto Koch.

Os representantes do empresariado gaúcho requerem a alteração da legislação estadual propondo uma compatibilização entre a carga tributária prevista no Simples Nacional (alíquota de ICMS reduzida) e a sua apuração pela Substituição Tributária (ST), culminando com uma redução no ICMS/ST devido pelas microempresas e empresas de pequeno porte, pois os benefícios conquistados mediante a instituição da Lei Geral 123/2006 estão sendo anulados.

O presidente Vitor Koch, que coordenou o encontro, voltou a lembrar que as MPEs brasileiras têm uma queixa em comum: o sistema da “substituição tributária”, que é uma forma de cobrança do ICMS aos produtos vendidos por elas. Neste sistema, os pequenos negócios que atuam como compradoras de grandes indústrias acabam pagando a estas o ICMS “cheio”, ao invés de pagar apenas o imposto único estabelecido pelo Simples Nacional, que é o que deveria ocorrer.

Ele enfatizou, também, que “não somos contra a Substituição Tributária, mas a forma como ela está operando tem gerado problemas muitos sérios para micro e pequenas empresas fazendo com que elas sejam menos competitivas. Em casos de liquidações, por exemplo, o cenário fica ainda mais crítico porque os empreendedores não conseguem recuperar valores já pagos”.
O deputado José Sperotto, que lidera a FPMPE, ressaltou que é preciso retirar produtos que foram incluídos no modelo da Substituição Tributária. “Nossa mobilização é pela reversão do quadro de perda dos benefícios do Simples Gaúcho que observamos atualmente. Creio que o governo do estado vai se sensibilizar com esse pedido e rever a atual situação, para gerar mais emprego e renda ao Rio Grande do Sul.

O secretário do Gabinete dos Prefeitos e Relações Federativas, Afonso Motta, que representou o executivo estadual no encontro, afirmou que o assunto terá prioridade na esfera governamental. “Não tenho nenhuma dúvida que o governador Tarso Genro irá acolher a equipe parlamentar imediatamente para darmos o encaminhamento para esse assunto”, falou.

Diminuição na geração de empregos
No encontro na Capital gaúcha o gerente de Políticas Públicas do SEBRAE Nacional, Bruno Quick, apresentou estudo que aponta a diminuição no ritmo de geração de emprego inversamente proporcional ao aumento da arrecadação de impostos desde 2008. Cada 1% a mais tributado no Simples Nacional significou uma redução de 1,38% na geração de empregos.

Os setores mais afetados foram: comércio e reparo automotivos; alojamento e alimentação; artes, cultura, esportes e recreação; agricultura, pecuária e pesca e a indústria da transformação. Baseado em dados da Fundação Getúlio Vargas, há a constatação doe aumento de R$ 65 bilhões para R$ 113,5 bilhões em receitas sujeitas à Substituição Tributária. “A estimativa é que o modelo afete aproximadamente 58% das micro e pequenas empresas, as onerando em relação à cobrança de ICMS”, salientou Quick.

Bruno Quick explicou, ainda, que a substituição significa para as empresas a necessidade de um capital de giro maior, o que tira a sua capacidade de competir. Ao fixar uma margem para os produtos, o modelo considera que os lojistas aplicam a mesma margem de lucro, uma ideia falsa, segundo ele.

Vale lembrar que do total de 695.566 empreendimentos existentes no Rio Grande do Sul, as MPEs representam 99,7%, totalizando 670.201 empresas.

COMPARTILHE
ESTE CONTEÚDO FOI ÚTIL PARA VOCÊ?

Siga o SEBRAE RS

Notícias

22 de Setembro de 2017

Salão da Inovação será destaque na Mercopar

SAIBA MAIS

 

21 de Setembro de 2017

Doces de Pelotas no cardápio da 25ª Avaliação Nacional de Vinhos

SAIBA MAIS

Vídeos

Ouça o podcast do SEBRAE

Sebrae RS Podcast 22/09/2017 09:32

Doces de Pelotas serão servidos na Avaliação Nacional de Vinhos

Sebrae RS Podcast 21/09/2017 11:32

Encontro em Santa Maria busca soluções digitais para a educação