Loading SEBRAE
Loading SEBRAE

Notícias

Índice mede confiança dos pequenos negócios na economia

17/10/12

Da Redação

COMPARTILHE

Em uma escala de 0 a 200, indicador marca 122 e mostra otimismo dos empresários

Da Redação

Luiz Barretto, durante coletiva em São Paulo (Foto Pablo de Sousa/LUZ)

Brasília – Como anda o faturamento e a contratação de pessoal por parte de microempreendedores individuais (MEI) e micro e pequenas empresas (MPE)? Quais as expectativas delas em relação aos dois temas no futuro próximo? As respostas para essas questões estão no Índice de Confiança das Micro e Pequenas Empresas, que o Sebrae apresentou nesta quarta-feira (17/10), em São Paulo, e passa a divulgar mensalmente.

Em setembro, a pesquisa ouviu 5,6 mil empreendedores em todo o país sobre o desempenho de suas empresas no mês de agosto, comparado ao anterior, e sobre suas perspectivas para os meses de setembro, outubro e novembro. As respostas são medidas em uma escala de 0 a 200, onde cem é o ponto de equilíbrio. Acima de cem, o resultado é considerado positivo, com tendência de expansão das atividades.

O Índice de Confiança está atualmente (setembro/12) em 122, demonstrando o otimismo dos empreendedores nos negócios e na economia brasileira. O resultado é o melhor dos últimos seis meses, já que em abril o ICMPE era de 115, tendo chegado a 112 nos meses de maio e junho. A metodologia foi criada pelo Sebrae com base nos indicadores de confiança da Universidade de Michigan e no Conference Board dos Estados Unidos, referência mundial em pesquisas econômicas. As entrevistas são feitas por telefone e contam com parceria da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).

“Antes de lançar o índice, pesquisamos o segmento por seis meses, para ter uma série histórica que permita comparação”, explica o presidente do Sebrae, Luiz Barretto. “Esse Índice de Confiança vai funcionar como um termômetro da atividade de 99% das empresas brasileiras, que são de micro e pequeno porte. E os resultados mostram que o segmento vem apresentando um bom desempenho”, completa.

Calcula-se o ICMPE a partir de dois outros números: o Indicador de Situação Atual (ISA), considerando a atividade – faturamento e pessoal ocupado – no mês atual comparado ao anterior, e o Indicador de Situação Esperada (ISE), abordando as perspectivas para os três meses seguintes. São quatro questões – duas sobre faturamento e duas sobre emprego – e três únicas respostas: se houve aumento, redução ou estabilidade.

Na pesquisa realizada em setembro, o Índice de Situação Atual (ISA) apontou estabilidade, ficando em cem. Esse foi o melhor resultado da série iniciada em março. Já o Indicador de Situação Esperada de setembro ficou em 143, também o maior da série, comprovando as boas perspectivas até novembro. Nos dois casos, o setor com a melhor evolução foi o de Serviços. A pesquisa tem abrangência nacional e também detalha alguns dados por região e estados, além de avaliar os dados por setor (indústria, comércio, construção civil e serviços) e porte (microempreendedor individual, que fatura até R$ 60 mil por ano; microempresa, até R$ 360 mil por ano; e pequena empresa, até R$ 3,6 milhões por ano).

A margem de erro é de dois pontos percentuais, no caso dos dados nacionais; de 2,5 pontos percentuais, nas informações nacionais setoriais; e de sete pontos percentuais, no dado estadual geral.

Serviço:
Agência Sebrae de Notícias
(61) 3243-7851 / 3243-7852 / 2104-2771 / 2104-2775 / 9977-9529
Central de Relacionamento Sebrae: 0800 570 0800

COMPARTILHE
ESTE CONTEÚDO FOI ÚTIL PARA VOCÊ?

Siga o SEBRAE RS

Notícias

20 de Outubro de 2017

Turismo impulsiona o desenvolvimento de Morro Redondo

SAIBA MAIS

 

20 de Outubro de 2017

Seminário sobre a Junta Digital ocorre em Lajeado

SAIBA MAIS

Vídeos

Ouça o podcast do SEBRAE

Sebrae RS Podcast 20/10/2017 12:01

Seminário Crescer Sem Medo debate mudanças do Simples Nacional

Sebrae RS Podcast 18/10/2017 16:36

Projeto Costa Doce Natureza promove rodada de negócios