Loading SEBRAE

Mais buscados: sei Credito mei consultoria Boas Praticas

Loading SEBRAE

Notícias

Empregos gerados pelas MPEs gaúchas crescem 60% entre 2000 e 2011

26/02/13

Da Redação

COMPARTILHE

Neste período, cerca de 470 mil pessoas foram contratadas por empresas de micro e pequeno porte no RS

Da Redação

470 mil pessoas foram contratadas por empresas de MPEs no RS (Foro: Divulgação)

Porto Alegre – Os pequenos negócios gaúchos – aqueles que faturam no máximo até R$ 3,6 milhões por ano – criaram cerca de 470 mil empregos com carteira assinada entre 2000 e 2011, crescimento que permitiu às MPEs do Estado atingirem a marca de 1.168,7 mil postos de trabalho. Em nível nacional, as MPEs foram responsáveis pela geração de 7 milhões de novos empregos no mesmo período, consolidando-se como as principais empregadoras da economia formal. São 15,6 milhões de postos de trabalho, o que significa que 52% da mão de obra empregada no País está nas micro e pequenas empresas. Os dados constam no Anuário do Trabalho da Micro e Pequena Empresa, elaborado pelo Sebrae em parceria com o Departamento Intersindical  de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

No RS, o número de estabelecimentos de micro e pequeno porte também aumentou entre 2000 e 2011, passando de 468,6 mil para um total de 606,5 mil empresas. Foram gerados 137,9 mil novos estabelecimentos ao longo deste período. O bom desempenho das MPEs no período analisado teve relevante impacto sobre a economia gaúcha graças à importância das MPEs. Em 2011, elas responderam por 99,4% dos estabelecimentos, 57,8% dos empregos privados não agrícolas formais e por 47,9% da massa de salários. Entre 2000 e 2011, de cada R$100 pagos aos trabalhadores no setor privado não agrícola, R$48, em média, foram pagos por micro e pequenas empresas.

Para o superintendente do SEBRAE/RS, Léo Hainzenreder, fatores socioeconômicos e jurídicos contribuíram para esse cenário positivo do trabalho nos pequenos negócios: a criação da Lei Geral da Micro e Pequena Empresas, do Supersimples – que reduz em média 40% dos impostos das empresas desse porte – e o surgimento do Microempreendedor Individual – que permite a formalização de empresas que faturam, em média, R$ 5 mil por mês. “O fortalecimento da economia brasileira e o crescimento da classe C também foram influenciadores destes índices que destacam os pequenos negócios como grandes geradores de emprego e renda no Brasil”, afirma Hainzenreder.

Além do crescimento dos empregos formais, o período 2000-2011 caracterizou-se por uma breve aproximação das remunerações médias pagas por micro e pequenas empresas e pelos médios e grandes estabelecimentos no Rio Grande do Sul. Nesse período, a remuneração média real dos empregados formais nas micro e pequenas empresas gaúchas cresceu 1,6% a.a., passando de R$ 1.011, em 2000, para R$ 1.204, em 2011

O Anuário do Trabalho tem base em diferentes fontes de informação. O objetivo é reunir um conjunto de dados sobre o perfil e a dinâmica do segmento dos pequenos negócios. A pesquisa utiliza informações da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), registro administrativo do Ministério do Trabalho e Emprego, da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED), do Dieese e da Fundação Seade.

COMPARTILHE
ESTE CONTEÚDO FOI ÚTIL PARA VOCÊ?

Siga o SEBRAE RS

Notícias

18 de Abril de 2018

Sebrae RS promove rodada de negócios na 13ª Envase Brasil

SAIBA MAIS

 

18 de Abril de 2018

Sala do Empreendedor de Torres estipula metas para diminuir burocracia

SAIBA MAIS

Vídeos

Ouça o podcast do SEBRAE

Sebrae RS Podcast 17/04/2018 17:07

Sebrae lança projeto para apoiar MPEs na área da saúde

Sebrae RS Podcast 16/04/2018 16:45

Missão empresarial participa de feira industrial Alemanha