Loading SEBRAE

Mais buscados: sei Credito consultoria boas praticas empretec

Loading SEBRAE

Economia Criativa

Oportunidades

Descubra quais áreas da economia criativa têm se destacado nos últimos anos

21/02/17
Amanda Paim

Amanda Paim

Coordenadora Estadual da Economia Criativa e Turismo do SEBRAE RS

COMPARTILHE
Muitas áreas da economia criativa são atrativas para quem pensa em empreender, pois podem ter baixo custo de investimento inicial.

Ser um profissional da economia criativa significa, que o principal valor do seu trabalho são as suas ideias ou conhecimento, ou seja, é a economia baseada em produção intelectual. Da música à biotecnologia, a indústria criativa compreende áreas bastante diferentes e é tradicionalmente dividida em quatro grandes setores: consumo (arquitetura, design, moda e publicidade), cultura (expressões culturais, patrimônio e artes, música e artes cênicas), mídias (editorial e audiovisual) e tecnologia (pesquisa e desenvolvimento, biotecnologia e TIC).

Segundo o relatório da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (FIRJAN) lançado em dezembro de 2016 mostra que a indústria criativa manteve-se estável em número de vagas de emprego formais e representatividade do PIB brasileiro 2015 em relação a 2013, destacando-se de outros setores da economia que sofreram mais com a crise econômica.  

Muitas áreas da economia criativa são atrativas para quem pensa em empreender, pois podem ter baixo custo de investimento inicial. No entanto, é importante saber lidar com processos de gestão, por isso a recomendação é que busquem informações, orientações, cursos ou parceiros de negócios que ajudem a desvendar temas como contabilidade e inscrições para financiamentos e editais. Buscar parcerias, aliás, é altamente recomendável: participar de eventos presenciais ou de grupos criados na internet pode ativar muitas oportunidades.

33_1214_gcomgind_economiacriativa_oportunidades_840x415

Marketing: conhecer o comportamento do consumidor e conhecer técnicas de exposição de marca tornaram-se conhecimentos altamente especializados e requisitados em um cenário de consumo cada vez mais segmentado e mediado pela comunicação digital.

Design: não basta tecnologia, é fundamental garantir que produtos e serviços sejam desejados e fáceis de usar. O paradigma criado pelos produtos da Apple levou para outras áreas a necessidade de projetar colocando os usuários no centro do projeto.

Audiovisual: a exigência de veiculação de conteúdo nacional nos canais pagos gerou demanda e valorização dos profissionais da área. A produção de conteúdos digitais, enquanto a abrangência dos veículos de mídia mais tradicionais decaem, também gera oportunidades.

Biotecnologia: o esforço para o aproveitamento das riquezas naturais do país refletiu em expansão da procura por geneticistas e biomédicos. O avanço da tecnologia torna essa uma das áreas mais promissoras da economia criativa.

Indústria clássica: inovar virou palavra de ordem em todos os setores da produção. Para rever processos, mapear oportunidades e criar soluções, os profissionais da economia criativa também estão presentes nos setores mais tradicionais da indústria.

COMPARTILHE
ESTE CONTEÚDO FOI ÚTIL PARA VOCÊ?

Notícias

15 de Dezembro de 2017

Empresas da saúde conquistam resultados com projeto do Sebrae RS

SAIBA MAIS

 

14 de Dezembro de 2017

Sebrae RS disponibiliza conteúdo online gratuito

SAIBA MAIS

Vídeos

Ouça o podcast do SEBRAE

Sebrae RS Podcast 15/12/2017 15:14

Palestra traz impactos de novo sistema para pequenas empresas

Sebrae RS Podcast 15/12/2017 11:48

Pizzaria se moderniza inspirada em poesia, com apoio do Sebrae