Loading SEBRAE

Mais buscados: SEI credito CONSULTORIA Boas Praticas EMpretec

Loading SEBRAE

Leite e Derivados

Perspectiva

Perspectivas para a produção de leite no RS

10/07/17
Ana Carolina Cittolin

Ana Carolina Cittolin

Gerência Setorial do Agronegócio

COMPARTILHE
Em um cenário de crescimento da produção e do processamento de leite, somente vender leite para outros estados não será suficiente

Não é novidade a grandeza do Rio Grande do Sul na produção de leite. A região noroeste do estado, juntamente com o oeste catarinense e o sudoeste paranaense formam a grande bacia leiteira do Brasil. Produzimos leite suficiente para abastecer a demanda interna, enviar o excedente para outros estados e exportar. Mesmo se o consumo de lácteos chegasse ao recomendado pela OMS, teríamos um excedente considerável. Junto a esse cenário, temos uma capacidade industrial ociosa de cerca de 30% e novos investimentos continuam sendo feitos. Mas, se temos produto sobrando no Estado, por que os investimentos em plantas industriais continuam sendo feitos? Para onde vamos mandar esse produto?

Hoje praticamente todo nosso excedente é enviado para o sudeste e nordeste do país. Muito pouco do que produzimos é exportado. Em um cenário de crescimento da produção e do processamento de leite, somente vender leite para outros estados não será suficiente. E por que não exportamos mais?

Não temos qualidade e sanidade o suficiente para exportar. E quando falo em qualidade, não estou falando apenas de CCS (contagem de células somáticas) e CBT (contagem bacteriana total), indicadores importantes para a qualidade do leite. Hoje, poucos estão preocupados com outro ponto importante: a composição do leite. O mundo remunera o produtor pela composição de sólidos do leite. O Brasil não, por isso ainda temos muito o que evoluir. A preocupação com os níveis de proteína, gordura e carboidrato deveria fazer parte da rotina do produtor.

A questão sanitária é outro ponto importante. Temos um plano de controle e erradicação de brucelose e tuberculose que não sai do papel. Poucos são os produtores que aderem ao plano, que hoje tem adesão voluntária. A mastite ainda é um grande problema dentro das propriedades. A mastite subclínica não é tratada com a seriedade necessária e o produtor acumula prejuízos sem nem se dar conta.

Sem atendermos a qualidade e a sanidade, não seremos um Estado exportador de leite. Não atingiremos os melhores mercados, não aumentaremos o valor do nosso produto. Sem esse mercado, não teremos para quem vender o leite que produzimos. O efeito em cadeia de situações como essa é desastroso para a todas as partes interessadas.

Produtor, se pudermos deixar três pontos de atenção para você seguir na cadeia do leite nos próximos anos, são estes:

  • Siga todas as recomendações sanitárias da sua região;
  •  Controle a mastite clínica e subclínica, faça os tratamentos adequados;
  • Produza um leite com um bom teor de sólidos e boa qualidade.Seguindo essas dicas você estará garantido num mercado que ficará mais exigente no futuro.
COMPARTILHE
ESTE CONTEÚDO FOI ÚTIL PARA VOCÊ?

Notícias

20 de Novembro de 2017

Empresas são desafiadas a propor soluções para a indústria

SAIBA MAIS

 

20 de Novembro de 2017

SEBRAE RS promove empreendedorismo jovem em Santana do Livramento

SAIBA MAIS

Vídeos

Ouça o podcast do SEBRAE

Sebrae RS Podcast 20/11/2017 15:42

SEBRAE promove rodada de negócios em Passo Fundo

Sebrae RS Podcast 17/11/2017 18:31

Sebrae promove seminário sobre gestão de pessoas nos negócios