Loading SEBRAE

Mais buscados: sei Credito consultoria Boas Praticas empretec

Loading SEBRAE

Pecuária de Corte

>
Novos conceitos

Chefs de cozinha & neurocientistas: a pecuária precisa de vocês

12/01/18
Roberto Grecellé

Roberto Grecellé

Coordenador estadual de pecuária de corte do SEBRAE RS.

COMPARTILHE
Muito pautado pelas necessidades modernas e pelas inúmeras oportunidades de avanço da pecuária nesta última década, outros profissionais passaram a integrar o que até ontem era de domínio exclusivo “de quem é do setor”

O que classicamente entendíamos como “pecuária” está ultrapassado, precisamos rever e aceitar que a dinâmica do mundo mudou, forçando a ampliação das fronteiras e as interações da clássica atividade de criação de gado. Muito além das cercas que demarcam estabelecimentos rurais, a produção de carne se democratizou, virou assunto no cotidiano de muitos. Até ontem quem tratava de pecuária com o produtor eram agrônomos, veterinários e zootecnistas. Alguns administradores, economistas, engenheiros florestais e técnicos agrícolas também têm ajudado na modulação dessa atividade econômica, dando suas valiosas contribuições.

Muito pautado pelas necessidades modernas apontadas pela sociedade e pelas inúmeras oportunidades de avanço da pecuária nesta última década, outros profissionais passaram a integrar o que até ontem era de domínio exclusivo “de quem é do setor”. Nesta nova onda, engenheiros ambientais, poetas, publicitários, jornalistas e nutricionistas se somaram ao processo e se fizeram presentes.

Porém, para a felicidade deste setor – que é cerne da cultura gaúcha e brasileira – estamos estreitando relações com outros profissionais que passam a orbitar o nosso dia-dia. Neste sentido, é que dizemos: “Chefs de cozinha & neurocientistas: a pecuária precisa de vocês”.

Se aplicarmos a nossa lógica de analisar a cadeia (não mais do pasto ao prato e sim do prato ao pasto), percebe-se facilmente o posicionamento do consumidor como o grande maestro de toda a cadeia. Ele é o regente de uma sequência de operações que precisa culminar em carne que atenda às suas necessidades e preferências (indispensável considerar aqui os distintos perfis de consumidores). Próximo do consumidor, de forma cada vez mais intima e direta, encontra-se posicionada a figura do cozinheiro, do chef de cozinha, do assador. Estando ele em posição estratégica como o grande embaixador do nosso trabalho, é de vital importância que estejamos bem alinhados com esse profissional, ouvindo dele ativamente o que tem a nos dizer e imputando valores e conceitos, verdades pecuárias, para que transmita com eficiência nos distintos momentos oportunizados pela gastronomia. Só ganhamos com esse afinamento de atuação. A comunhão do fogo, panelas e assados tem um potencial enorme, que precisamos usufruir com inteligência.

O quanto avançamos nos últimos cem anos em conhecimento gerado em favor da criação e produção comercial de bovinos de corte é um feito a ser celebrado. Partindo de muita observação e experimentação cientifica, pesquisadores e técnicos materializaram em pacotes tecnológicos muito da informação gerada. Todo o avanço obtido pela pecuária brasileira se deve ao conhecimento gerado em instituições de ensino, densa carga de trabalho dos que vivem no campo e do empreendedorismo de produtores que puxaram para si o desafio de protagonizar um agronegócio competitivo. Porém, de forma distinta à velocidade em que esses conhecimentos foram gerados, está a adoção destas tecnologias e saberes por parte do produtor. Uma significativa parcela de produtores se mantém anestesiada, sem lançar mão de técnicas e saberes que foram há muito validados. Neste momento a questão que surge é, por quê? Por que uns se beneficiam há tempos do conhecimento, buscam novidades e avançam, enquanto outros negam o avanço da ciência e todas as possibilidades reais e elementares na base produtiva? Estamos num momento singular da caminhada da pecuária onde a questão não é mais o que fazer e como fazer. Pelo progresso do setor, precisamos todos nos dedicar às estratégias de convencimento e motivação de produtores. Este é o ponto! Não é uma questão técnica. A trava de muitos parece ser comportamental. Precisamos entender mais sobre o funcionamento do mágico cérebro humano e das suas infindáveis conexões. E como não somos nós os “especialistas” em comportamento humano, precisamos de vocês, neurocientistas. O avanço dos saberes gerados por vocês, somado ao constante avanço da tecnologia, é que vai fazer a diferença, determinando talvez quem fará ou não parte da próxima onda da pecuária de corte.

É salutar e desejável que tenhamos uma visão inclusiva. Todos os nossos esforços devem ter esse rumo, acreditando que a pecuária se fortalecerá quanto mais e mais gente vier fazer parte deste caldeirão de ideias, técnicas e oportunidades. Bons negócios a todos.

COMPARTILHE
ESTE CONTEÚDO FOI ÚTIL PARA VOCÊ?

Notícias

19 de Janeiro de 2018

Expodireto 2018 contará com estande coletivo do Sebrae RS

SAIBA MAIS

 

19 de Janeiro de 2018

Mais de R$ 9,5 milhões em vendas na Couromoda

SAIBA MAIS

Vídeos

Ouça o podcast do SEBRAE

Sebrae RS Podcast 17/01/2018 17:54

Empresas do projeto Alimentos Premium começam a colher frutos

Sebrae RS Podcast 17/01/2018 17:52

Programa D’Olho na Qualidade Rural leva conhecimento e lucro para agroindústrias