Loading SEBRAE

Mais buscados: sei credito consultoria boas praticas EMpretec

Loading SEBRAE

Apicultura

Primeiros passos

Negócio apícola pode ser iniciado em espaços pequenos, mas exige busca de conhecimento técnico

21/02/17
Fabiano Nichele

Fabiano Nichele

Gerência Setorial do Agronegócio

COMPARTILHE
O Brasil é o oitavo maior exportador de mel do mundo, o que representa um valor de US$ 98,5 milhões em exportação.

Em comparação com outras atividades de produção animal, iniciar um negócio apícola exige investimento em torno de R$ 350,00 por 50 colmeias. A margem de lucro é alta, com um custo que representa em torno de 25% da produção final. Além disso, o apicultor tem a vantagem de trabalhar com uma espécie que contribui para o equilíbrio do meio-ambiente. Porém, cuidados com questões técnicas, sanitárias e de mercado são essenciais nesse negócio. E dominar os recursos tecnológicos do setor é fundamental.

O primeiro passo é buscar a avaliação técnica de um apicultor ou especialista do setor,  para verificar a possibilidade de começar o negócio no local definido. É necessário saber se a região possui boas floradas (época do desabrochar das flores), verificando quais são os tipos de flores preponderantes no local.

O apicultor precisa de um enxame com cerca de 50 mil abelhas, além da rainha, para começar a produção. “Em uma colmeia, existem três castas de abelhas: as operárias, a rainha, e o zangão, que vive para se reproduzir com a rainha. O zangão só consegue se manter na colmeia com uma boa quantidade de néctar ou uma alimentação alternativa, senão a rainha o expulsa”, explica Nelson Vuaden, apicultor e ex-presidente da Associação Gaúcha de Apicultores. Vuaden salienta que o apicultor iniciante não pode esquecer de trabalhar com EPI’s (Equipamento de Proteção Individual) e EPC’s (Equipamento de Proteção Coletiva), tais como: botas, macacão para apicultura, chapéu tipo capacete e luvas.

16-gagro-apicultura-setor-apicola_840x415

Além do mel, o própolis, a geléia real, a cera de abelha e o pólen podem ser produzidos por quem trabalha com apicultura. O mais abundante é evidentemente o mel, alimento reconhecidamente aliado no combate a doenças, rico em minerais, proteínas e vitaminas essenciais à saúde. O Brasil, segundo a Abemel (Associação Brasileira de Exportadores de Mel), é o oitavo maior exportador de mel do mundo, o que representa um valor de US$ 98,5 milhões em exportação.

O apicultor e proprietário da empresa Mel do Tio Gerson, Gerson Fensterseifer, garante que para prosperar no negócio é necessário investir em tecnologia. “A pessoa que quer investir em apicultura certamente terá sucesso se fizer uma boa gestão, conhecer bem as floradas da região e usar a tecnologia a seu favor”, garante.

Um tipo de tecnologia que Fensterseifer cita serve para não perder as abelhas durante o inverno. O Alimentador Dolittle, por exemplo, evita a falência das abelhas por falta de alimentos, além de estimular a produção de ovos da rainha. “Com organização e planejamento o agricultor terá sucesso, pois espaço existe, e o investimento e custo de produção são baixos”, afirma.

COMPARTILHE
ESTE CONTEÚDO FOI ÚTIL PARA VOCÊ?

Notícias

24 de Novembro de 2017

Ainda dá tempo de dar um upgrade na sua empresa

SAIBA MAIS

 

24 de Novembro de 2017

Quer saber como se comunicar pelo YouTube?

SAIBA MAIS

Vídeos

Ouça o podcast do SEBRAE

Sebrae RS Podcast 24/11/2017 15:59

Sebrae promove 2° Seminário Brasil Mais Simples em Santa Maria

Sebrae RS Podcast 23/11/2017 17:09

Projeto Conexão Saúde RS apoia indústrias do setor