Loading SEBRAE

Mais buscados: Sei CREDITO mei consultoria boas praticas

Loading SEBRAE

Alimentos e Bebidas

Além do básico

O cliente não quer só comida!

23/03/18
Carlos Henrique Karsten Junior

Carlos Henrique Karsten Junior

Gestor de Projetos de Alimentos & Bebidas

COMPARTILHE
Temas como locavorismo, bem-estar animal, restrições alimentares e slow food estão presentes na dinâmica de mercado

O cliente não quer só comida!

Essa é uma frase que simplifica o conceito do termo “experiência do cliente”, uma das novas tendências mundiais em termos de alimentação fora do lar. Se no passado o consumidor era influenciado pelo rádio, televisão ou jornal, hoje as redes sociais ampliaram consideravelmente os vetores que bombardeiam o processo decisório sobre onde e principalmente o que comer. Se antes a comida boa era a personagem principal, hoje ela divide espaço com outros atores, como o bom atendimento, a inovação, a agilidade e a flexibilidade do serviço, o ambiente e como o posicionamento do restaurante se relaciona com a sustentabilidade, a diversidade cultural, o politicamente correto e o alimento seguro. Temas como locavorismo, bem-estar animal, restrições alimentares e slow food estão presentes na dinâmica de mercado. Além disso, particularmente no Brasil, os escândalos envolvendo grandes players do mercado acabam por aumentar a desconfiança do consumidor em relação à segurança do que ele está comendo.

Todos os fatores acima criam um novo cenário de consumo ao qual os empreendedores devem prestar atenção e desenvolver estratégias de alinhamento, buscando destacar-se em um mercado tão concorrido como o da gastronomia. Sem esquecer, é claro, da gestão, ainda mais necessária neste novo cenário. Não existe receita pronta, mas algumas práticas merecem atenção do empreendedor.

Por que o cliente decidiu ir até o seu restaurante? Essa é a pergunta de um milhão, e para obter a resposta vale a boa e velha pesquisa de satisfação, observar os comentários e avaliações nas redes sociais e “espiar” o perfil do cliente para conhecer sua idade, sexo, onde mora, como se diverte e do que gosta, por exemplo. Se dispuser de recurso para investimento, já existem sistemas que monitoram e fazem todo este trabalho para você: quando o cliente faz o check in na sua rede, você obtém valiosas informações, como frequência de consumo, quanto tempo gasta no seu estabelecimento, o que e em que horários costuma consumir. Com essas informações você alinha o posicionamento, as ações promocionais e de fidelização, gerencia a produção e pode criar produtos e serviços que vão diferenciá-lo da concorrência.

Não menospreze a importância da tecnologia, tanto na comunicação com o mercado quanto na gestão da empresa. Conhecer as redes sociais e como inserir-se nelas, escolher as melhores postagens, responder corretamente às avaliações boas e às más (principalmente) e estar presente nos principais aplicativos de delivery (se utilizar este canal) são ações importantes no início da experiência do consumidor com o seu negócio. Aplicativos e sistemas que diminuem o tempo na fila, reduzem o tempo entre o pedido, a produção e entrega do prato, aumentam a segurança em relação a furtos e fraudes e agilizam o pagamento do cliente são importantes nesse processo. Aqui cabe um parêntese: os antirrestaurantes, os restaurantes secretos, as propostas minimalistas (mais um termo em voga) são modelos de negócio que fogem a essa regra, mas são muito focados em um nicho bem específico e uma proposta muito clara. Porém, observe que são modelos totalmente focados na valorização da experiência do consumidor.

No universo de opções da sua cidade, o quanto a sua proposta se diferencia? O diferencial pode ser explorado na forma de se comunicar, no ambiente, no atendimento, nos pratos e sabores, na história do seu restaurante. Pequenos detalhes marcam a experiência como positiva. Não desrespeitando seu posicionamento e seu público, neste quesito a inovação é fundamental. Como, por exemplo, destacar a qualidade dos alimentos que compõem o mix de produtos e os produtores locais; utilizar uma pitada de humor na decoração ou na comunicação; fazer parcerias com empresas com um posicionamento parecido com o seu; apresentar um prato tradicional de uma maneira diferente; utilizar um ingrediente inovador ou com uma forte relação com a tradição local; resgatar sabores e receitas dos antepassados; ou valorizar a cultura local ou mesmo trazer um prato tradicional de outra região ou país que seja novidade no mercado.

O importante é que o cliente, ao consumir seu produto ou serviço, saia com a sensação de que recebeu mais do que pagou, mesmo que seja só um pouquinho. Então virão os compartilhamentos, as boas avaliações, as indicações e a recompra. É fácil? É claro que não, mas é o desafio diário daqueles que trabalham enquanto os outros se divertem, mas que movimentam a economia do nosso País.

Como diz a música dos Titãs, “a gente não quer só comida, a gente quer comida, diversão e arte…” e por aí vai!

COMPARTILHE
ESTE CONTEÚDO FOI ÚTIL PARA VOCÊ?

Notícias

18 de Abril de 2018

Sebrae RS promove rodada de negócios na 13ª Envase Brasil

SAIBA MAIS

 

18 de Abril de 2018

Sala do Empreendedor de Torres estipula metas para diminuir burocracia

SAIBA MAIS

Vídeos

Ouça o podcast do SEBRAE

Sebrae RS Podcast 24/04/2018 14:54

Sebrae leva MPEs para maior feira médica da América Latina

Sebrae RS Podcast 17/04/2018 17:07

Sebrae lança projeto para apoiar MPEs na área da saúde